Serial Killer: Louco ou Cruel? – Ilana Casoy

Imagem

Localização na estante: G 364.152 C341s.8 – Piso 5 (Direita – Bloco 2)

No livro Serial Killer: Louco ou Cruel?, a autora Ilana Casoy descreve detalhadamente dezesseis crimes reais mais conhecidos e cruéis do mundo, a fim de descobrir até aonde a mente humana é capaz de chegar.

“O que leva uma pessoa a praticar atos tão extremos como assassinatos em série? A questão é biológica, social ou psicológica? Traumas infantis podem ter consequências tão horrendas? Quanto precisam pai e mãe errar para criar um monstro?”. p. 17

Em certo ponto do livro, ela diz que serial killers não são personagens de ficção, e descreve-os como pessoas comuns.

“Nos livros, cinemas e televisão são descritos como altos, horríveis, com caras de mau. Quase nunca é assim. São pessoas comuns, que têm emprego e podem ser bastante charmosas e educadas. Todos os milhares de vítimas que caíram em suas armadilhas tinham quociente de inteligência normal, e com certeza não achavam que estavam se colocando em situações de risco.” p. 39

O livro ainda apresenta estatísticas curiosas, como: 93% dos serial killers são homens, 90% dos serial killers têm idade entre 18 e 39 anos, 65% das vítimas são mulheres; e mostra que a maioria dos assassinos deixa alguma espécie de rastro.

Apesar de misterioso, o livro possui uma linguagem clara e adequada, o que deixa-o também surpreendente. Ao descrever os casos reais e chocantes, a autora colocará o leitor diante dos assassinos e vítimas, e o fará refletir sobre sua dúvida: “loucos ou cruéis?”.

 

Ouça aqui: Serial Killer

+ Ilana Casoy

Imagem  O nome é estrangeiro e de origem hebraica, mas a autora do livro Serial Killer Louco ou Cruel?, é brasileira.

Ilana Casoy, paulista, formada em Administração pela Faculdade Getúlio Vargas, pós-graduanda em Criminologia pelo IBCCRIM, e há mais de dez anos se dedica em estudar crimes e assassinatos. Atualmente, Ilana é membro consultivo da comissão de  Política Criminal e Penitenciária da OAB-SP, e já colaborou em diversos crimes, dentre eles, o do maníaco de Guarulhos e o caso Nardoni.

De classe média alta, disse em uma de suas entrevistas que dois motivos levaram-na a ter interesse em elaborar perfis de assassinos, o primeiro é a dificuldade da polícia nas investigações de criminosos, e o segundo é que a mente humana a intriga; mas revelou que não é nada fácil encarar mortes e assassinatos.

“Às vezes, eu penso: ‘O que eu estou fazendo? Por que não escolhi uma vida de piscina, massagem, compras?’. Tem um monte de gente que eu conheço que tem uma agenda super legal. A vida que eu escolhi é de contato com muito sofrimento.”

Além de ‘Serial Killer: Louco ou Cruel?’, a sobrinha do jornalista Boris Casoy, já escreveu outros dois livros: ‘Serial Killer Made in Brazil’ e ‘O Quinto Mandamento‘, sobre o caso Suzane Richthofen. Ainda em produção e sem título, ela diz estar preparando a próxima obra, que será sobre o caso Gil Rugai, condenado a 33 anos e 9 meses de prisão pelo assassinato do pai e da madrasta em 2004.