WikiLeaks: A Guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado – Luke Harding e David Leigh

Localização do livro na estante: G327.1 / L528wPISO 5 (Direita - Bloco 2)

Localização do livro na estante: G327.1 / L528w
PISO 5 (Direita – Bloco 2)

Um site de denúncias, uma organização de hackers espiões, um site de vazamento de documentos confidenciais ou tudo isso junto. Essas são todas denominações para o WikiLeaks, que em poucos anos passou de uma modesta fonte de denúncias  a inimigo direto do governo dos Estados Unidos.

Esse livro traz a história do vazamento de dados que abalou gigantes econômicos mundiais, contada por dois jornalistas do jornal britânico The Guardian, que investigaram e acompanharam diretamente os fatos mais recentes ligados ao caso.

Criado pelo hacker australiano Julian Assange, o WikiLeaks é movido pela filosofia de defender a transparência dos atos institucionais. Por isso, publicações digitais (ou semidigitais) clandestinas que denunciavam algum tipo de abuso foram reveladas pelo site.

Durante muito tempo esses dados foram divulgados causando efeitos de visibilidade moderada no cenário mundial. A repercussão global veio quando a organização resolveu publicar documentos e vídeos contra o país mais poderoso do planeta no século: os atos ilegais e não-humanitários dos Estados Unidos nas guerras do Afeganistão e do Iraque.

Um dos pontapés iniciais para o crescimento da imagem do WikiLeaks em proporções globais foi o encontro de Assange com o jornalista Nick Davies do The Guardian, em 2010. O motivo do encontro foi o vazamento de inúmeros documentos diplomáticos e militares, que o jornalista queria transformar em um furo de reportagem e veicular em seu jornal para ter maior impacto.

O acordo foi firmado e assim surgiu a parceria entre três jornais, o hacker australiano e sua organização WikiLeaks.

O percurso da revelação desses segredos de Estado é o assunto desse livro, que narra todo o trajeto das publicações do vazamento de informações que impactou o mundo.

Além disso, o leitor terá acesso a um apêndice de telegramas diplomáticos americanos publicados originalmente pelo The Guardian, cuja fonte direta é o WikiLeaks.

 Saborei alguns trechos:

“Depois de deixar Nairóbi, as ambições de Assange cresceram na escala e no potencial do WikiLeaks. Na companhia de outros hackers, ele desenvolveu uma filosofia de transparência. Ele e alguns colegas especialistas em tecnologia já vinham obtendo êxito em um dos objetivos: tornar o WikiLeaks virtualmente indestrutível e, portanto, a salvo de ataques legais ou cibernéticos de qualquer jurisdição ou fonte. Advogados, que recebiam somas exorbitantes para proteger a reputação de seus clientes e corporações ricos, admitiam – em tons mesclados de frustração e admiração – que o WikiLeaks era o único meio de comunicação do mundo que eles não podiam silenciar. Era muito ruim para os negócios”. (p.17)

“Graças a esse novo fenômeno de publicação, os juízes estavam tão confusos quanto as corporações globais. Numa audiência em março e 2009, a Suprema Corte, em Londres, decidiu que ninguém estava autorizado a imprimir documentos que revelassem as estratégias de evasão fiscal do Barclays – embora eles estivessem disponíveis para leitura no website do WikiLeaks. A decisão do juiz pareceu um pouco ridícula” (p.17)

 

Ouça aqui WikiLeaks: A Guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado

 

Anúncios

+ Luke Harding e David Leigh

Luke Harding

Luke Harding

Luke Harding  nasceu em 1968 na Inglaterra. Estudou inglês na Universidade de Oxford, lugar em que editou o jornal estudantil Cherwell.  Jornalista investigativo trabalha para o jornal britânico The Guardian desde 1996.

Era correspondente na Rússia do The Guardian desde 2007, quando foi expulso em 2011 por seus artigos críticos, que revelavam a riqueza de Vladimir Putin e o conhecimento deste no assassinato do ex-espião russo Alexander Litvinenko.

Luke foi o primeiro jornalista estrangeiro a ser expulso da Rússia desde o fim da Guerra Fria. Harding declarou em entrevistas que durante o período em que permaneceu na Rússia foi alvo de assédio psicológico por parte do Serviço de Segurança Federal que estavam descontentes com as histórias que publicava.

Junto com o jornalista David Leigh divulgou diversos segredos de estado e telegramas diplomáticos dos Estados Unidos que abalaram a ordem mundial.

David Leigh

David Leigh

David Leigh nasceu em 1946 . Estudou em Nottingham High School, Kings College e em Cambridge. Jornalista investigativo desde 1970, trabalhou  no The Times, Washington Postk;  The Observer e no  The Guardian.

No The Guardian publicou uma série de exposições de corrupção sobre Sistemas de armas – BAE.

Em 2010, David Leigh membro da equipe do The Guardian divulgou documentos diplomáticos dos Estados Unidos e arquivos confidenciais da guerra do Afeganistão e do Iraque enviados pelos WikiLeaks. Trabalhou com Julian Assange, porém, a relação dos dois foi abalada devido a publicação no  The Guardian sobre os detalhes  das alegações de duas suecas contra Assange por violência sexual e por seu trabalho com Luke Harding ter revelado a senha enviada pelos WikiLeaks e que davam acesso aos documentos confidenciais.

Recebeu vários prêmios por seu jornalismo investigativo .